quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cultura de quilombo-indígena foi tema de evento em João Pessoa

Descrição para cegos: foto da antropóloga Larissa Isidoro posando com um peça da exposição, que é um manequim de uma criança vestida com roupa típica do quilombo. Larissa tem o braço direito em volta dos ombros da peça. Atrás dela há vários quadros da mostra, parcialmente visíveis.

O evento aconteceu no último dia 6, na Estação Cabo Branco, e contou com apresentações culturais e roda de diálogo. Seguindo a programação, foi inaugurada a mostra 
Tiririca dos Crioulos: pessoas fortes na luta, que permanece até o final de junho e faz parte do projeto-ação Do Buraco ao Mundo. A iniciativa atua desde 2014 no quilombo-indígena Tiririca dos Crioulos, localizado no município de Carnaubeira da Penha, em Pernambuco. A ação visa o fortalecimento cultural através do resgate da história do povoado. Ouça a reportagem que o repórter Joanderson Almeida fez sobre o evento para o Espaço Experimental, que vai ao ar todos os sábados, às 9 horas, na Rádio Tabajara AM ( 1.110 KHz), produzido pela Oficina de Radiojornalismo do curso de Jornalismo da UFPB. (Elizabeth Souza)

Evento do Neabi discutiu produção acadêmica sobre negros e indígenas

Descrição para cegos: foto da professora Solange Rocha olhando para a câmera. Atrás dela há um monitor de computador e um teclado sobre uma mesa. 

A mesa redonda Conhecimento, debate e reflexões sobre população negra e povos indígenas aconteceu na terça-feira (9). Teve como expositores a professora Cláudia Lago, do Departamento de História, e o professor Estevão Palitot, do Departamento de Ciências Sociais do Campus do Litoral Norte. A mediação foi de Helainy Lira, do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Brasileiros e Indígenas, o Neabi-UFPB. Segundo Solange Rocha, coordenadora do núcleo, o debate teve como objetivo dar visibilidades às questões sociais estudadas pelo Neabi e faz parte das atividades programadas para este semestre buscando divulgar a produção acadêmica da área. Ouça a entrevista que Solange Souza  concedeu a repórter Duda Campos para o Espaço Experimental, que vai ao ar todos os sábados, às 9 horas, na Rádio Tabajara AM ( 1.110 KHz), produzido pela Oficina de Radiojornalismo do curso de Jornalismo da UFPB. (Annaline Araújo) 
 

domingo, 7 de maio de 2017

Projeto visa inclusão de negros na advocacia

Descrição para cegos: a imagem ilustra o malhete, martelo usado pelo juiz, ao lado de dois livros fechados e a circunferência de madeira usada para bater o martelo.
Por Annaline Araújo

O Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa), em parceria com o Instituto Presbiteriano Mackenzie e a Universidade Presbiteriana Mackenzie, lançou em São Paulo o projeto Incluir Direito. O objetivo é a inclusão de estudantes negros na área jurídica dando condições de igualdade nos processos seletivos de escritórios.
Um levantamento feito em alguns escritórios associados ao Cesa, realizado em 2016, mostrou que menos de 1% de todo o quadro profissional é formado por pessoas negras, apesar de mais da metade da população brasileira (53,6%) ter pele negra, de acordo com os dados do IBGE de 2014.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Palestra discutiu a educação do povo indígena no Brasil


Descrição para cegos: foto de Juciene Ricarte e Pedro Kaaguasu na mesa do evento. Ambos estão com roupas típicas indígenas, sendo que ele usa também um cocar de penas coloridas.

No dia 24 de abril, a Universidade Federal da Paraíba recebeu a palestra História e Educação Superior Indígena no Brasil. A exposição contou com a professora Juciene Ricarte e o professor Pedro Kaaguasu Potiguara. Juciene é professora da Universidade Federal de Campina Grande, integrante da Unidade de História e Geografia. Pedro é mestre e professor de História na aldeia Ibiquara. A palestra abriu a programação do evento Conhecimentos, Debates e Reflexões: povos indígenas no Brasil, ocorrido na última semana de abril. Ouça a entrevista que Juciene e Pedro concederam à repórter Lívia Costa para o programa Espaço Experimental, que vai ao ar todos os sábados, às 9 h, na Rádio Tabajara AM (1.110 KHz), produzido pela Oficina de Radiojornalismo do curso de Jornalismo da UFPB. (Elizabeth Souza)